Menu LondrinaTur, portal de Londrina e norte do Paraná
Guias
Novela chama atenção para aceitação das pessoas transgênero Novela chama atenção para aceitação das pessoas transgênero Novela chama atenção para aceitação das pessoas transgênero

Novela chama atenção para aceitação das pessoas transgênero

Wednesday, 04 de October de 2017
Categoria:

Falar sobre os próprios sentimentos gera empatia e ajuda a passar pelo processo de transição

Novela chama atenção para aceitação das pessoas transgênero - LondrinaTur

Reprodução/Rede Globo

A história da personagem Ivan, da novela “A Força do Querer”, chamou a atenção do Brasil para a aceitação das pessoas transgênero. Na trama escrita por Glória Perez, Ivan nasceu Ivana – uma mulher -, mas ao longo da novela se descobre como uma pessoa pertencente ao sexo masculino. Apesar de polêmica, a história de Ivan despertou empatia nos telespectadores, que passaram a ver com olhos menos preconceituosos o dilema das pessoas que não se sentem à vontade no sexo biológico.

A psicóloga Paula Cordeiro, do Núcleo Evoluir, considera importante a iniciativa de falar sobre o assunto. “Como em todos os casos de minorias – que são grupos que diferem da maior parte da população – o preconceito pode ser fatal”, avalia ela, lembrando dos inúmeros casos de manifestações de ódio que resultam até na morte de travestis e transexuais. “É preciso fornecer para a população o maior número de informação possível, estimular a empatia entre as pessoas para que não tenhamos mais situações de preconceito e violências contra essa ou qualquer outra parcela da população”, destaca.

Conforme Paula, não há uma idade padrão para identificação de desconforto com o gênero, até porque muitas vezes esse desconforto é socialmente reprimido e a pessoa só consegue percebe-lo em idade mais avançada. Os sinais que indicam a identidade de gênero com o sexo oposto ao nascimento podem ser claros, como desconforto especifico com o gênero, insatisfação com características físicas e não reconhecimento como homem/mulher. “Mas pode haver sinais mais gerais, como ansiedade muito alta, alguns traços de depressão, entre outros sintomas não necessariamente ligados à identificação de gênero”, pontua, lembrando que não há regras estabelecidas para todas as pessoas. “A partir do momento em que existe a consciência sobre o gênero, é possível que se comece a apresentar características transgênero. Muitas vezes, devido à cultura e ao meio em que a pessoa vive, ela pode demorar mais para dar pistas ou mesmo se identificar como transgênero”, avalia.

Também não existe uma idade “certa” para o reconhecimento da identidade trans. “As crianças, por exemplo, apresentam forte desejo de pertencer ao outro gênero ou insistência de que um gênero é o outro. Além disso, apresentam descontentamento com a própria anatomia sexual”, explica. Também é frequente observar preferências pelo gênero oposto e resistência em vestir roupas típicas de seu gênero de nascimento.

Pessoas transgênero que decidem assumir essa condição precisam de ajuda e apoio profissional e também de amigos e familiares. A forma como irão comunicar isso, porém, depende de cada contexto. “O principal é conseguir comunicar sentimentos, explicar que o que está acontecendo é uma tentativa de se sentir melhor, de se sentir natural dentro do seu próprio corpo. É difícil para a maioria das pessoas entenderem que algumas pessoas não se sentem naturais com seus corpos, por isso é necessário explicar o que sente e o que espera sentir”, orienta. Amigos e familiares devem formar uma rede de apoio para que não apenas fortaleçam a pessoa transgênero, mas a todos como uma unidade.

Durante a transição de gênero, toda ajuda necessária é bem-vinda, o que envolve apoio psicológico, psiquiátrico, médico e nutricional, além, é claro, do acolhimento de amigos, familiares, pessoas da comunidade próxima e do trabalho. A psicóloga lembra que uma mudança tão grande pode gerar inúmeros sintomas de ansiedade e depressão. “Por isso é essencial o acompanhamento psicológico”, reforça.

A psicóloga lembra que existem pessoas que já se assumem como "livres" de definições de gênero e preferem transitar entre os gêneros ao invés de assumir um “rótulo”. “É preciso entender que cada indivíduo é único e, portanto, tem suas próprias características. Nossas preferências e escolhas podem mudar ao longo da vida, o que pode ocorrer devido ao aumento do autoconhecimento e da aceitação de sentimentos”, finaliza.

Fonte: Divulgação