Menu LondrinaTur, portal de Londrina e norte do Paraná
Guias
Síndrome pós-COVID-19: o que é e como tratar Síndrome pós-COVID-19: o que é e como tratar

Síndrome pós-COVID-19: o que é e como tratar

Tuesday, 09 de March de 2021
Categoria:

Mesmo após o vírus ficar inativo no organismo, muitos continuam sofrendo com os sintomas do COVID-19 por longos períodos

Quem contrai o vírus do COVID-19 costuma apresentar sintomas ao longo de três semanas, o tempo médio que o vírus permanece ativo no organismo. Após esse período, o corpo já criou anticorpos suficientes para conseguir interromper a ação dos agentes invasores e, teoricamente, curar a doença, mas, em muitos casos, não é isso que acontece. Algumas pessoas continuam apresentando sintomas mesmo após estarem curadas, o que está sendo chamado de Síndrome pós-COVID-19.

Os sintomas do coronavírus variam muito de caso a caso, mas, geralmente, os mais comuns são aqueles relacionados a qualquer tipo de infecção, como febre, fraqueza muscular e fadiga excessiva. Outros sintomas mais específicos voltados para a doença são tosse, falta de ar e perda de paladar e olfato. Isso não significa que todos esses sintomas se fazem presentes em qualquer pessoa, mas são os que a maioria dos afetados pela doença costuma sentir.

A questão é que, mesmo após o corpo já ter dado conta do vírus, esses sintomas persistem por semanas ou até meses, tornando a situação muito mais grave. Vale ressaltar que essa síndrome não se trata de algo exclusivo do COVID-19, pois é uma sequela comum observada em diversos outros tipos de doenças virais. Apesar de os estudos ainda estarem em andamento, já foi observado que as sequelas são mais comuns em pessoas que apresentaram os sintomas mais graves ou que se encaixam no grupo de risco – idosos, obesos, hipertensos, etc.

Mesmo que a ciência ainda esteja pesquisando e buscando formas de lidar com esses casos em específico, acredita-se que alguns hábitos benéficos para a saúde podem ajudar a aliviar os sintomas e acelerar a recuperação. O primeiro deles é aprender e praticar diariamente técnicas de controle respiratório, pois o vírus afeta diretamente os pulmões, prejudicando a respiração e levando a outros sintomas, como falta de ar, fadiga, etc. Existe uma série de exercícios que ensinam a controlar melhor o diafragma para garantir uma respiração mais efetiva.

Os exercícios físicos também não podem ficar de fora, pois são um poderoso aliado contra muitos tipos de doenças. Quem não tem o hábito de se exercitar precisa começar aos poucos, sem exigir demais do próprio corpo, mas, quanto mais intensa for a atividade física, melhor para o corpo – desde que seja praticada corretamente. Exercícios como tríceps testa e abdominais são uma ótima forma de recuperar a energia usual do corpo.

Divulgação