Menu LondrinaTur, portal de Londrina e norte do Paraná
Guias
Ranking britânico destaca UEL como melhor universidade estadual do PR

Ranking britânico destaca UEL como melhor universidade estadual do PR

Wednesday, 08 de July de 2020
Categoria:

Divulgação/THE

A UEL é a Universidade Estadual Paranaense mais bem classificada no ranking de reputação acadêmica da revista britânica Times Higher Education (THE) – Latin America 2020, divulgado nesta terça-feira (7) e que avaliou 166 Instituições de Ensino Superior de 12 países do continente. No cômputo geral a UEL ainda ficou na posição de número 50, destacando-se como a 27ª brasileira e a 3ª melhor avaliada entre todas as Universidades do estado.

Em situação semelhante ao ano passado, as melhores instituições brasileiras, de acordo com o ranking, são a USP e Unicamp, que figuram em segundo e terceiro lugares, respectivamente. A PUC do Chile terminou na primeira colocação esse ano. O Brasil é o país mais representado, com 61 universidades na lista. O Chile vem em seguida, com 30. As paranaenses mais bem avaliadas esse ano foram a UFPR e PUC, que ficaram na posição 22 e 47, respectivamente.

O Times Higher Education (THE) Latin America 2020 considerou cinco indicadores principais como ensino, pesquisa, citações de trabalhos, visão internacional e transferência de conhecimento para a indústria. As instituições recebem uma pontuação para cada um desses critérios, que têm pesos diferentes para a nota final.

Destaque – Para a diretora de Avaliação e Informação Institucional, da Pró-reitoria de Planejamento (PROPLAN), professora Elisa Emi Tanaka Carloto, a posição da UEL pode ser considerada importante tanto no cômputo geral, como nos dados estratificados, que a colocam em posição destaque no Estado, no país e na América Latina. Em relação ao ano passado, a UEL registrou queda da 39ª posição para a 50ª. A colocação geral se aproxima da classificação de 2018, que colocou a Universidade na posição de número 48.

De acordo com a diretora, essa queda reflete a alteração no quadro de pesquisadores mais antigos, que vem se aposentando nos últimos cinco anos. “A substituição ocorre, mas para um pesquisador atingir a maturidade leva algum tempo”, explicou. Outro fator que reflete essa queda no ranking 2020 está ligado à redução nos investimentos na pesquisa brasileira registrada nos últimos anos.

Fonte: Agência UEL/Pedro Livoratti