Menu LondrinaTur, portal de Londrina e norte do Paraná
Guias
Pesquisas comprovam que proteína vegetal aumenta longevidade Pesquisas comprovam que proteína vegetal aumenta longevidade

Pesquisas comprovam que proteína vegetal aumenta longevidade

Friday, 30 de October de 2020
Categoria:

Fonte: iStock

Redução de derivados de animais na dieta pode diminuir os riscos de doenças cardíacas e câncer

A carne é um item clássico da culinária em diversas culturas, como na brasileira em pratos tradicionais, como feijoada, acarajé e churrasco, mas os excessos podem ser prejudiciais à saúde, resultando até em doenças crônicas.

Um levantamento publicado no British Medical Journal (BMJ), que reuniu vários estudos realizados ao longo de 32 anos, comparou o consumo de proteínas vegetais com as dos animais e as consequências para a saúde.

A publicação mostra que se uma pessoa aumentar 3% o consumo de proteínas vegetais (alimentos como soja, amêndoas, aveia, entre outros), ela terá 5% menos chances de morrer por causas variadas.

Consumo de proteína

O nutricionista Gabriel Azzini alerta para um erro comum na hora de compor um prato de almoço. Segundo ele, algumas pessoas consideram apenas as carnes como fonte de proteína, porém uma refeição com feijão, legumes e folhas já pode suprir as necessidades proteicas diárias.

Azzini indica que a quantidade ideal diária é de 0,8 a 1,5 grama por quilo de peso, ou seja, uma pessoa de 70 quilos deve consumir 50 gramas de grão-de-bico, por exemplo.

Para quem pratica atividades físicas de maior intensidade, entretanto, é necessário um consumo maior de proteína. A suplementação com whey protein, comum entre esportistas, pode ser recomendada pelo nutricionista esportivo para ganho de massa muscular.

Prevenção de doenças

Outro estudo publicado pelo Journal of the Academy of Nutrition and Dietetics revela que consumir 5 gramas de soja diariamente é suficiente para reduzir em até 12% a chance de morte por câncer de mama.

De acordo com a publicação da revista acadêmica Cell Metabolism, o consumo de carne, além de uma grande ingestão de gordura, pode quadruplicar as chances de morte por câncer.

Ainda sobre o estudo da BMJ, foi concluído que as mortes por doenças cardiovasculares eram 8% mais comuns para pessoas que consomem proteínas animais. Por outro lado, ele mostrou que o consumo de proteínas vegetais reduz em até 12% as chances de problemas fatais no coração.

Saciedade

A Universidade de Copenhague divulgou uma pesquisa que revela que as proteínas vegetais têm maior efeito na saciedade, ou seja, deixam a pessoa mais satisfeita com menor quantidade de comida.

Os testes compararam três tipos de refeições diferentes no café da manhã por duas semanas. Houve uma diminuição de 12% a 13% no consumo de calorias na refeição seguinte, reduzindo de 95 para 105 calorias.

Fibras

Além de satisfazer a fome de forma mais eficiente, os vegetais naturalmente possuem fibras, que contribuem positivamente para o funcionamento regular do intestino e evitam problemas cardíacos e diabetes.

Equilíbrio

Não é necessário parar de comer carne imediatamente para ter uma vida longa e saudável. Basta ampliar o cardápio com maior variedade de alimentos, cores e nutrientes. Também é importante complementar a rotina com atividades saudáveis, conforme as condições físicas e os limites de cada pessoa.