Menu LondrinaTur, portal de Londrina e norte do Paraná
Guias
Projeto “Acolher” oferta suporte psicológico a mulheres enlutadas pela Covid-19 Projeto “Acolher” oferta suporte psicológico a mulheres enlutadas pela Covid-19

Projeto “Acolher” oferta suporte psicológico a mulheres enlutadas pela Covid-19

Thursday, 16 de September de 2021

Projeto da Prefeitura em parceria com a Unopar/Pitágoras é voltado para as mulheres acima de 18 anos, que não possuem condições de pagar pelo serviço de acompanhamento psicológico; inicialmente serão 40 vagas

Foto: Emerson Dias

Na manhã desta quarta-feira (15), o prefeito de Londrina, Marcelo Belinati, anunciou a implantação do projeto “Acolher – atendimento psicológico para mulheres enlutadas pela Covid-19”. Por meio de um convênio firmado entre a Prefeitura de Londrina e a Universidade Pitágoras/Unopar, mulheres que perderam familiares para o novo coronavírus, agora, contarão com um serviço gratuito de apoio psicológico e emocional.

O objetivo é prestar acompanhamento psicológico e um tratamento de saúde mental para as mulheres acima de 18 anos. Prioritariamente serão selecionadas as mulheres em situação de vulnerabilidade social ou sem condições financeiras de custear serviços dessa natureza, que estão sofrendo com a perda de algum ente querido devido à Covid-19. No Brasil, oficialmente são mais de 588 mil mortes decorrentes da doença viral. Somente no Paraná, o número ultrapassou a casa dos 23 mil e, em Londrina, foram mais de 2 mil falecimentos.

A ideia do projeto surgiu durante os atendimentos prestados pela Secretaria da Mulher, em que as servidoras municipais perceberam que várias pessoas precisavam de suporte emocional e desejavam ter acesso a alguma ajuda especializada, porém não tinham condições para pagar pelo tratamento.

Foto: Emerson Dias

Para o prefeito Marcelo Belinati, o fato de as pessoas não poderem visitar seus entes queridos internados no hospital, devido ao alto grau de transmissibilidade da Covid-19, e de não ser permitida a realização de cerimônias de despedida (como velórios), aumentou o sofrimento dos parentes e amigos. “É um trabalho inovador, que vai trazer um alento, amparo e acolhimento para muitas pessoas que perderam seus entes queridos na pandemia. Tem muita gente enlutada, sofrendo com essa situação e o convênio da Prefeitura com a Unopar/Pitagoras poderá dar o apoio e o amparo psicológico para que elas possam amenizar seu sofrimento”, afirmou Marcelo.

A assistente social e servidora da Secretaria Municipal de Políticas para as Mulheres, Lucimar Rodrigues, perdeu sua irmã de 61 anos para a Covid-19, há cerca de três meses. De forma repentina, a doença levou sua irmã e deixou o cunhado com sequências até hoje, como o comprometimento de mais da metade do pulmão.  Para ela, que sempre cuidou das pessoas, agora é a vez de receber ajuda, por meio do projeto. “O luto é um tema muito difícil de lidar e de aceitar, principalmente nesta situação que estamos vivendo com a Covid. Quando isso bate na nossa porta e na nossa vida, e a gente sabe que não vai mais ver a pessoa amada e que não pôde se despedir, a dor é imensurável. As pessoas não sabem como ela é. Se soubessem, elas se cuidariam mais, prestariam mais empatia ao outro. Só quem passa, sabe como é essa dor, como ela é forte demais”, contou emocionada.

Durante o anúncio do projeto Acolher, a reitora da Pitágoras/Unopar, Flávia Pomin Frutos, agradeceu à Prefeitura de Londrina pela oportunidade de aproximar a realidade acadêmica dos estudantes universitários com a prática na comunidade. “O luto por si só já traz grandes desafios e, na pandemia de Covid-19, ele se tornou algo muito além. Este atendimento humanizado do projeto Acolher e a oportunidade que estamos dando às mulheres auxiliarão a população para caminhar rumo à superação. Não existe um caminho fácil ou uma fórmula pronta, mas precisamos encontrar juntos os meios de superar a Covid-19”, enfatizou a reitora.

Inscrição – As mulheres que estiverem passando por esse momento dolorido e quiserem buscar ajuda, devem entrar em contato com a Secretaria Municipal de Políticas para as Mulheres, pelo (43) 99945-0056. As inscrições serão realizadas pelas servidoras do Centro de Oficinas para as Mulheres (COM), que encaminhará a lista das interessadas para a Coordenação do Curso de Psicologia da Pitágoras/Unopar. Os docentes do curso farão a triagem e, posteriormente, entrarão em contato com as mulheres que participarão do projeto.

Foto: Emerson Dias

“Esse é o primeiro atendimento às mulheres enlutadas ofertado, em Londrina, por meio da Secretaria da Mulher. Nosso objetivo é dar apoio a elas, para que todas consigam superar esse período tão difícil, que é o de perder alguém”, pontou a secretária municipal de Políticas para as Mulheres, Liange Doy Fernandes.

Inicialmente, o projeto disponibilizará 40 vagas e segundo a coordenadora do curso de Psicologia da Pitágoras/Unopar, Giuliana Temple, os atendimentos serão realizados em duas frentes, sendo a primeira delas em grupo e a segunda individualmente. Ambos deverão acontecer na Clínica de Psicologia da Pitágoras/Unopar.

Foto: Emerson Dias

A expectativa é que sejam realizados, no mínimo, 20 encontros, sendo que eles acontecerão semanalmente e terão cerca de duas horas de duração. “Temos duas professoras trabalhando diretamente com o projeto e os alunos de Psicologia serão orientados por elas, para saberem como lidar com os temas, que forem surgindo. As pessoas, que identificarmos a necessidade de um acompanhamento individualizado, serão encaminhadas para o atendimento individual na Clínica Escola”, elucidou Temple.

O secretário de Governo, Alex Canziani, participou do lançamento do projeto “Acolher”.

Saúde física – Em meados de agosto, por meio de parceria entre Prefeitura e a Pitágoras/Unopar, foi lançado o projeto “Bem-Estar Com Saúde Física”, que viabiliza atendimentos gratuitos para mulheres em diferentes modalidades, como saúde sexual e reprodutiva, climatério, neurologia, problemas cardiorrespiratórios e ortopedia, entre outras. Cerca de 30 mulheres já passaram pelo processo de triagem e estão sendo atendidas pela Clínica de Fisioterapia da universidade, com acompanhamento profissional nos mesmos moldes do novo Projeto Acolher.

Fonte: N.Com