Menu LondrinaTur, portal de Londrina e norte do Paraná
Guias
Secretaria Municipal de Saúde orienta sobre toque de recolher em Londrina Secretaria Municipal de Saúde orienta sobre toque de recolher em Londrina

Secretaria Municipal de Saúde orienta sobre toque de recolher em Londrina

Wednesday, 02 de December de 2020
Categoria:

População deve redobrar os cuidados básicos, como higienizar as mãos, usar máscara facial e manter etiqueta social ao espirrar ou tossir

Nesta quarta-feira (2), o secretário municipal de Saúde, Felippe Machado (foto), concedeu uma entrevista coletiva, via internet, para esclarecer diversos pontos relacionados às novas normas instituídas pelo Governo do Estado do Paraná, como o Toque de Recolher das 23 horas às 5 horas, válido a partir de hoje, e também sobre a situação da Covid-19 em Londrina.

Machado explicou que, no município, a doença vem mantendo-se mais estável do que em outras cidades, visto que o índice de transmissão está em 1.11, ou seja, em um determinado espaço de tempo, é possível verificar que para cada 100 pessoas infectadas pelo novo Coronavírus, 111 são contaminadas em Londrina. Já na capital paranaense, cada 100 indivíduos positivados transmitem a doença para outras 129 pessoas (1.29). Já, em Maringá, a cada 100 casos confirmados, 124 pessoas são infectadas (1.24).

“Curitiba e Maringá têm sofrido muito com o número de casos positivados diariamente. Em Londrina, temos acompanhado e há uma tendência de alta nesses números, nas próximas semanas, mas em proporções menores. Nosso índice de transmissão, que é o R0, está em 1.11, ou seja, a pandemia em municípios como os citados está com um número de replicação muito mais rápido”, salientou o secretário de saúde londrinense.

Apesar de o índice de transmissão da doença estar mais baixo do que de outras cidades, assim como o número de pessoas contaminadas em estado ativo da doença, ou seja, que podem transmitir para outras, o Município seguirá o Decreto nº 6.285, do Governo do Paraná, que prevê o Toque de Recolher a partir de hoje. A intenção é inibir que pessoas circulem à noite e pela madrugada, a fim de participarem de festas, baladas ou irem a boates ou outros encontros que geram aglomeração.

Assim, todos os cidadãos precisam se atentar as medidas que serão intensificadas, como a fiscalização realizada pela Política Militar do Paraná (PM/PR) e contará com a ajuda da Guarda Municipal de Londrina (GML). Os empresários de estabelecimentos comerciais, donos de bares, lanchonetes e restaurantes precisam respeitar os Decretos Municipais, em especial o nº 1.386, de 27 de novembro (clique aqui para ler) e o Decreto nº 1.352/2020 (disponível clique aqui) .

Foto: Emerson Dias

Horários de funcionamento – A legislação prevê que o horário do funcionamento dos estabelecimentos comerciais é de segunda-feira a sexta-feira, das 10h às 17h, e aos sábados, das 9h às 13h.

Mas, por conta das festas de final de ano, que refletem em aumento da circulação de pessoas, esses horários foram ampliados temporariamente. Entre os dias 3 e 23 de dezembro de 2020, o funcionamento será de segunda a sexta-feira, das 9h às 22h, e aos sábados, das 9h às 18h.

Entre os dias 3 e 23 de dezembro de 2020, o funcionamento será de segunda a sexta-feira, das 9h às 22h, e aos sábados, das 9h às 18h. Para os dias 10, 20, 24 e 31 de dezembro, o horário excepcional do comércio será das 9h às 17h; e no período entre os dias 26 e 30 de dezembro, das 9h às 18h.

Os shopping centers, galerias, centros comerciais podem atender ao público de segunda-feira a sábado, das 10h às 22h, e aos domingos em horário regular. Já os bares, lanchonetes, restaurantes e outros estabelecimentos do mesmo gênero podem funcionar até as 22 horas, tendo, no máximo, uma hora para encerrar todas as atividades, incluindo a saída dos clientes e o fechamento do local.

“Hoje, temos o menor índice de contaminação pelo novo Coronavírus por cada milhão de habitantes. Mas precisamos redobrar as medidas de segurança em saúde, como uso de máscaras, da higienização das mãos com álcool em gel 70% e da etiqueta respiratória, para que a pandemia não tenha, em Londrina, a aceleração que teve em Curitiba e em Maringá. O novo coronavírus continua sendo um vírus de alta transmissibilidade e a pandemia não acabou”, apontou Machado.

Para ele, os resultados obtidos atualmente demonstram as ações acertadas tomadas desde o início da pandemia pela Prefeitura de Londrina. Um exemplo citado foi a implantação da Lei Seca e a proibição da venda de bebidas alcoólicas, durante 15 dias, assim como o fechamento de parques e praças e a obrigatoriedade do uso de máscaras faciais. Com isso, foi possível reduzir o crescimento exponencial da curva de contágio da Covid-19.

Caso essas medidas não tivessem sido tomadas, a Secretaria de Saúde, por meio dos estudos estatísticos realizados por especialistas do Centro de Operações de Emergências em Saúde Pública (COESP) e da Universidade Estadual de Londrina (UEL), acredita que haveria mais de 23 mil pessoas infectadas na cidade.

Até hoje, foram computados 15.239 casos positivados em Londrina, sendo que 387 estão ativos no momento. Na capital Curitiba há, no momento, mais de 13 mil casos ativos. Em seguida está Maringá, onde registram-se 3.316 pessoas com o vírus ativo; Foz do Iguaçu onde são 793 e em Cascavel com 439 contaminados que ainda podem transmitir a Covid-19.

Outra medida relevante para o monitoramento de novos casos e, consequente, proliferação rápida ou não do vírus é a aplicação de testes para a detecção da doença. Em Londrina, o índice de testes RT-PCR padrão-ouro aplicados para cada milhão de habitantes é de 130.412. No Paraná, o índice está em menos de 95 mil testes feitos para cada um milhão de habitantes.

Caso sejam necessárias novas medidas, mais rígidas e feitas pelos profissionais do COESP, a Prefeitura de Londrina deverá publicá-las em Jornal Oficial do Município. Porém, até o momento, estas não estão previstas. Mais informações sobre a Covid-19, em Londrina, podem ser obtidas pelo Painel Covid (clique aqui para acessar).

Ana Paula Hedler/N.com / Foto de Felippe Machado: Gustavo Tacaki / Secretaria de Saúde