Menu LondrinaTur, portal de Londrina e norte do Paraná
Guias
Londrina recebe 36ª Mostra Afro Brasileira Palmares Londrina recebe 36ª Mostra Afro Brasileira Palmares

Londrina recebe 36ª Mostra Afro Brasileira Palmares

Thursday, 11 de November de 2021
Categoria:

Mostra de arte acontecerá a partir do dia 20 de novembro; além dela, cidade receberá de 2 a 10 de dezembro mostra de música e a 1ª feira afro

Divulgação

Para divulgar a arte, a música e o trabalho afro realizado em Londrina, e comemorar o Mês da Consciência Negra, a cidade vai receber, no final de novembro, a 36ª Mostra Afro Brasileira Palmares Londrina. O evento contempla três grandes ações, que são a exposição de 30 obras de artistas de renome nacional; a 5ª Mostra de Música Afro Brasileira e a 1ª Feira Quilombo Cultural de Afro Empreendedores.

A abertura oficial do encontro será realizada no dia 20 de novembro, às 19h, na sede da Biblioteca Pública Municipal de Londrina, que fica na Avenida Rio de Janeiro, 413. Do dia 20 de novembro até 10 de dezembro, aniversário de Londrina, o público poderá contemplar as obras de arte de dez artistas diferentes, que estarão expostas na Sala José Antonio Teodoro, no segundo andar da Biblioteca Pedro Viriato Parigot de Souza.

Entre os 30 trabalhos expostos estarão os quadros de Jajá Belluco, 62 anos, que faleceu em decorrência da Covid-19, no ano passado, e as pinturas de José Inácio Alves de Oliveira, mais conhecido como J.Inácio. O primeiro foi um dos criadores da Mostra Afro e esteve a frente do Instituto do Movimento de Estudo da Cultura Afro-Brasileira (Imecab), órgão que coordena a ação até hoje. Belluco era autodidata e, além de pinturas, fazia desenhos, esculturas, costuras, cenários para peças teatrais e carros alegóricos para escolas de samba.

Divulgação

O outro homenageado in memoriam será J.Inácio, um dos mais queridos e populares artistas sergipanos. Ele recebeu muitas homenagens em vida e continua recebendo mesmo após a sua morte. Em 1981, deu nome para uma Galeria de Arte da Biblioteca Pública Epifânio Dórea, em 2010, foi homenageado também pela Galeria de Artes Álvaro Santos, em 2011, foi festejado em seu centenário de nascimento pelo Tribunal de Contas do Estado de Sergipe e, até hoje, vem recebendo o carinho do público. “Temos muitos artistas de renome nacional e internacional que são negros e as pessoas não conhecem. Por isso, nasceu a mostra: para poder promover as ações afirmativas do negro e, consequentemente, promover a igualdade racial, que é o mais importante do nosso encontro”, disse o presidente do Imecab e coordenador-geral da 36ª Mostra Afro Brasileira Palmares Londrina, Vagner Nogueira.

Música – Além das obras de arte, o público poderá se divertir com a 5ª Mostra de Música Afro Brasileira, que acontecerá do dia 2 a 10 de dezembro, sempre das 20h às 21h30, na Avenida Rio de Janeiro, 413, em frente à Biblioteca Pública Municipal. A ideia é marcar o Dia Nacional do Samba (celebrado em 2 de dezembro) e os 87 anos de Londrina (em 10 de dezembro). Para tanto, os organizadores vão homenagear uma das maiores intérpretes do samba, a cantora, compositora e instrumentista, Beth Carvalho.

A cantora Ângela Maria e o cantor Joaquim Braga vão fazer as apresentações com as músicas e enredos temáticos, dando voz às músicas de Carvalho, que faleceu em 30 de abril de 2019, aos 72 anos de idade. Antes mesmo de as apresentações musicais integrarem oficialmente a mostra afro, elas já vinham sendo realizadas pelo movimento negro de Londrina. A escolha do enredo sempre levou em consideração temas que envolvessem a cultura e a luta do povo negro e, neste ano, a ideia foi trazer o samba para abrilhantar o evento.

“Temos muito carinho e respeito pela Beth Carvalho, que foi uma grande sambista brasileira. Por isso, seu enredo estará na Mostra de Música e no evento de abertura da 36ª Mostra Afro Brasileira Palmares Londrina”, disse Nogueira. Dessa maneira, os músicos vão estar na abertura da 36ª Mostra Afro Brasileira Palmares Londrina, no dia 20 de novembro, às 19h, em frente à sede da Biblioteca Pública, além da mostra de música.

Divulgação

Feira Afro – Outra novidade deste ano será a 1ª Feira Quilombo Cultural de Afro Empreendedores, que acontecerá de 2 a 10 de dezembro, na Avenida Rio de Janeiro, nas proximidades da Biblioteca Pública Municipal, ao lado da Mostra de Música.

Ela tem como objetivo principal ser um espaço de comercialização e divulgação de itens produzidos por artistas e empresários negros de Londrina. “Nossa intenção é valorizar os empreendedores de Londrina e a cultura afrocriativa, como um quilombo cultural. Isso significa que não há fronteiras, porque os quilombos não tinham só negros, mas também refugiados de diversas etnias, que lutaram juntos para ficar onde eles queriam estar, independente de serem negros, indígenas, japonesas, alemães ou outro”, disse o organizador.

Quem quiser conferir os itens que estarão na feira, poderá aproveitar para adquirir produtos de culinária, de cuidados com a beleza, roupas, acessórios e outros. Ao todo, há espaço para 40 expositores. Quem ainda não se inscreveu, pode participar, porque ainda têm vagas disponíveis. Os interessados devem acessar o site do evento (https://www.imecab.com.br/) e preencher o formulário. Eles têm até o dia 20 de novembro para se inscrever.

O secretário municipal de Cultura, Bernardo Pellegrini, lembrou que, esse ano, pela primeira vez, a 36ª Mostra Afro Brasileira Palmares Londrina recebeu o apoio financeiro da Prefeitura de Londrina. O projeto da mostra de arte, de música e da feira recebeu, ao todo, o R$ 71 mil através do Programa Municipal de Incentivo à Cultura (Promic), da Secretaria Municipal de Cultura.

“Temos que valorizar a iniciativa, que é considerada a mais antiga do norte do Estado do Paraná, sendo realizada há mais tempo que o próprio salão de arte negra do Paraná, e que vem tratar de um assunto de extrema relevância, que é a valorização da cultura negra popular do Brasil. Como ela não tem apelo comercial, é muito importante que tenha incentivo do poder público e da comunidade como um todo. E, em Londrina, temos um evento participativo e intenso, por isso é fundamental que a cidade valorize esse patrimônio e a produção de artes visuais, literatura, música e as várias manifestações da cultura negra”, disse Pellegrini.

Fonte: N.Com