Menu LondrinaTur, portal de Londrina e norte do Paraná
Guias
Hospital de Londrina zera fila de espera para transplantes de córneas Hospital de Londrina zera fila de espera para transplantes de córneas

Hospital de Londrina zera fila de espera para transplantes de córneas

Friday, 06 de January de 2017
Categoria:

A entidade é filantrópica e recebe recursos administrados pelo Município; a média de transplantes é acima de 12 por mês

Hospital de Londrina zera fila de espera para transplantes de córneas - LondrinaTur

Londrina terminou o ano de 2016 com uma excelente notícia para a área da saúde. O HOFTALON – Centro de Estudo e Pesquisa da Visão teve um resultado exemplar para o Brasil e zerou a fila de pacientes que aguardavam por um transplante de córnea. De janeiro a dezembro, foram 157 transplantes realizados pela entidade, que é filantrópica e possui contrato com a Prefeitura de Londrina para a prestação de assistência especializada em oftalmologia, inclusive transplantes.

Durante o transplante, o botão (ou disco) central da córnea opacificada (embaçada) é trocado por um botão central de uma córnea saudável e transparente. Isto possibilita, aos pacientes que antes enfrentavam sérias dificuldades de visão, uma nova oportunidade de enxergar.

Segundo o assessor executivo da Diretoria de Regulação da Secretaria Municipal de Saúde, Felippe Machado, o fato de o Município ter uma gestão ampliada dos recursos do Sistema Único de Saúde (SUS), provenientes do governo federal, permite maior autonomia para a programação das ações voltadas à saúde da população. “A Secretaria Municipal de Saúde é responsável pela gestão financeira dos recursos do SUS que são disponibilizados para que o Hoftalon e outras entidades locais ofereçam serviços de atendimento em saúde. O zeramento da fila de espera para transplante de córnea é um ótimo resultado e consolida Londrina como uma referência em saúde em toda a região”, enfatizou.

De acordo com a gerente de Enfermagem do HOFTALON, Viviane Serato, os principais fatores que contribuem para que a fila de espera do transplante fique zerada é o aumento da quantidade de doações e a rapidez no processo cirúrgico. “Atualmente, logo após a avaliação médica no ambulatório do hospital, caso haja necessidade, o paciente já pode ser inserido na fila para o transplante. Isso faz com que o agendamento e a programação da cirurgia ocorra mais rapidamente. Nos últimos anos, os familiares também estão mais conscientes para entender sobre como funciona a doação e o transplante e, assim, tornam-se mais acessíveis e mobilizados para ajudar as pessoas”, contou.

Referência

O atendimento do HOFTALON abrange a 17ª Regional de Saúde, composta por 21 municípios, e a macro região Norte, que compõe, aproximadamente, dois milhões de habitantes. Por mês, são realizados no local 11,5 mil atendimentos clínicos e 1.100 procedimentos cirúrgicos. Cadastrado no Sistema Nacional de Transplantes e na Rede de Transplantes do Estado, o hospital é o maior prestador de atendimentos SUS de Londrina e região. No ranking, como Centro Transplantador do Paraná, ocupa a segunda colocação, ficando apenas atrás de Curitiba.

Todos os anos, o local realiza cerca de 700 atendimentos somente na especialidade de córneas, sendo a média acima de 12 transplantes por mês. Em dezembro foram realizados 28 procedimentos cirúrgicos.

Fonte: N.Com