Menu LondrinaTur, portal de Londrina e norte do Paraná
Guias
Conheça os móveis com tecnologia anticovid 19! Conheça os móveis com tecnologia anticovid 19!

Conheça os móveis com tecnologia anticovid 19!

Monday, 22 de February de 2021
Categoria:

Móveis anticovid 19: testes comprovam tecnologia em painéis de MDF. Eficácia é comprovada pela Quasar Bio, no laboratório de biossegurança de nível3 (NB3) do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (ICB-USP)

Antes da pandemia da Covid-19, design e qualidade eram algumas das principais preocupações ao planejar o mobiliário residencial, corporativo ou comercial. Agora, além disso, o cuidado com a saúde passou a ser um grande diferencial no design de interiores. A Guararapes, referência nacional na produção de painéis de MDF, é pioneira no uso de tecnologias que combatem o coronavírus. Desde 2015, a marca utiliza a tecnologia exclusiva NanoxClean® que elimina bactérias, vírus e outros microrganismos e tem ação vitalícia.

No ano passado, os painéis de MDF da Guararapes foram submetidos a testes que também comprovaram a eficácia da tecnologia ao inativar em poucos minutos 99,9% do vírus SARS-CoV-2, causador da Covid-19.  Os testes foram conduzidos pela empresa especializada Quasar Bio, referência em ensaios com SARS-CoV-2, e que possui seus laudos protocolados pelo Dr. Lucio Freitas Jr, especialista no assunto. Os ensaios foram realizados em laboratório de biossegurança de nível 3 (NB3) do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (ICB-USP) e obedecendo às Boas Práticas de Laboratório (BPL).

Esse resultado se deve ao uso de NanoxClean®, patenteada no setor há mais de cinco anos pela Guararapes junto à Nanox®, startup brasileira referência no desenvolvimento de materiais inteligentes. Pensada inicialmente para evitar a proliferação de fungos e bactérias no MDF, a proteção já está presente em todo o portfólio decorativo da marca há cinco anos. Ou seja, móveis fabricados com MDF decorativo Guararapes a partir de 2015 já têm essa proteção. Outro diferencial: a tecnologia não é afetada pela limpeza diária, por isso tem ação vitalícia.

“Investir em tecnologia para desenvolver produtos de alta qualidade e inovadores, alinhados às necessidades de mercado, é uma de nossas propostas de valor. Quando desenvolvemos a proteção antimicrobiana para nossos painéis de MDF, em conjunto com a Nanox®, o objetivo era contribuir para ambientes mais saudáveis para os lares das pessoas. Com o surgimento da Covid-19, realizamos diversos estudos em conjunto com pesquisadores da Quasar Bio e da Nanox®, e conseguimos comprovar a eficácia de nossa tecnologia exclusiva e pioneira no setor”, explica Humberto Oliveira, gerente de Marketing da marca.

Como funciona

A tecnologia NanoxClean® cria uma barreira de proteção à base de nanotecnologia que quando está em contato com os agentes patógenos, inativa os vírus, fungos e bactérias. Isso se deve à propriedade natural de seu ativo, a prata, que já é conhecida por sua ação antibacteriana. No caso do SARS-CoV-2, a prata oxida a camada externa do vírus, eliminando-o da superfície.

A linha decorativa da Guararapes recebe a proteção NanoxClean® por meio de uma lâmina de melamina com as micropartículas de prata, que é prensada na superfície dos painéis de MDF.

“Nós já conhecíamos a ação antiviral da nossa tecnologia, existem estudos inclusive que comprovam sua eficácia contra outros vírus como H1N1. Mesmo assim, como o novo coronavírus tem uma durabilidade maior que todos os outros em especial nas superfícies, foi muito importante comprovar essa efetividade com o próprio SARS-CoV-2. Dessa forma, com o uso da tecnologia podemos minimizar a contaminação cruzada – quando alguém assintomático toca uma superfície e, posteriormente, outra pessoa se infecta no mesmo local”, detalha Gustavo Simões, Co-fundador e CEO da Nanox®.

Passo a passo do teste

Os testes foram realizados através de amostras do MDF Guararapes com e sem a proteção NanoxClean®. Os produtos foram expostos ao SARS-CoV-2 por meio de uma imersão em tubos que continham grandes quantidades do vírus. Dessa forma, foi avaliada a capacidade do produto tratado de inativar as partículas virais em um intervalo de contato de 10 minutos e 30 minutos.

No período mínimo, a proteção já tinha eficácia de 68,4%. O ensaio ocorreu no ICB-USP, instituto responsável por isolar o SARS-Cov-2 no Brasil, e foi liderado pelo Dr. Lúcio Freitas Júnior, pesquisador da Universidade.

Divulgação