Menu LondrinaTur, portal de Londrina e norte do Paraná
Guias
Aluna do Colégio Universitário foi destaque em mostra internacional de ciência Aluna do Colégio Universitário foi destaque em mostra internacional de ciência Aluna do Colégio Universitário foi destaque em mostra internacional de ciência

Aluna do Colégio Universitário foi destaque em mostra internacional de ciência

Monday, 12 de November de 2018
Categoria:

Maria Clara Merigue esteve na Mostratec no Rio Grande do Sul apresentando um dispositivo para detecção de glúten em alimentos

Aluna do Colégio Universitário foi destaque em mostra internacional de ciência
Aluna do Colégio Universitário foi destaque em mostra internacional de ciência
Aluna do Colégio Universitário foi destaque em mostra internacional de ciência

De 23 a 25 de outubro, a aluna da 2ª série do Ensino Médio do Colégio Universitário, Maria Clara Merigue, esteve presente na Mostratec, em Novo Hamburgo, no Rio Grande do Sul. Na mostra internacional de trabalhos de ciência e tecnologia, com representantes de 30 países, a estudante da Instituição apresentou um projeto inovador: um dispositivo para a detecção de glúten em alimentos.

A proposta vinha de antes, mas foi aprimorada e finalizada no Colégio Universitário, em 2018, por meio do projeto de iniciação científica para as turmas do Ensino Médio. Para finalizar o trabalho, Maria Clara contou com o importante auxílio da professora orientadora Cristina Lustri. Foram quase 600 testes realizados pela aluna, para, finalmente, atingir o resultado desejado.

O dispositivo da estudante do Universitário se destaca por ser barato, simples e bastante eficaz. Por meio dele, basta colocar o alimento em um solvente e acrescentar um reagente, para ter o resultado. Se, a partir das reações químicas, a comida mudar de cor, o dispositivo apontará o glúten na comida e o consumo não será permitido para as pessoas com a doença celíaca.

Mesmo com uma ideia tão inovadora e interessante, faltou pouco para ela não estar presente na mostra internacional. “Eu sempre me interessei por essa área de pesquisa e sempre me inscrevia para os eventos. Porém, para a Mostratec, só fui atrás no último dia do prazo e, mesmo assim, deu certo”, explicou a aluna, que teve um dos 50 projetos selecionados, em um processo seletivo, que contou com 700 inscritos.

Com a seleção, Maria Clara Merigue foi uma das 420 expositoras da feira e teve um stand por três dias de evento. Entre 23 e 25 de outubro, ela apresentou o dispositivo para avaliadores, comunidade científica, investidores e curiosos. Segundo a aluna da Instituição, os retornos foram bem positivos e a incentivaram a patentear a ideia, que é realmente bastante inovadora.

Com o reconhecimento do projeto na Mostratec, a aluna planeja com muito cuidado os próximos passos, que envolvem aprofundar a pesquisa e prestar o vestibular para Medicina. “Inicialmente, quero começar o processo de patente do dispositivo. Depois, vou tentar conciliar o aprofundamento das pesquisas com os estudos para o vestibular. Meu desejo é fazer Medicina, mas me voltar para o setor de pesquisa”, comentou a aluna.

Sobre o projeto ter dado tão certo, a estudante da 2ª série do Ensino Médio afirmou que ter um propósito foi o que fez dar certo. “O segredo da pesquisa é a persistência. Em dois anos, fiz 600 testes e só um deu o resultado que eu desejava. Por isso, digo que encontrar um objetivo e algo que realmente goste, te prenderá e te impulsionará para o sucesso no campo da pesquisa”, comentou a aluna.

E o que fez Maria Clara Merigue escolher pesquisar sobre algo relacionado ao glúten? Algumas passagens foram fundamentais para escolher seguir por esse campo de estudo. A mais marcante delas aconteceu em uma festa, quando um amigo de sua mãe, que era portador da doença celíaca, se serviu de um alimento descrito como livre de glúten. Mas, na verdade, a comida possuía o elemento. Com isso, cinco minutos depois, o homem sofreu uma grande complicação de saúde, que assustou a todos.

Além dessa passagem, a convivência com a própria mãe, que, por muito tempo, viveu sob suspeita de ser portadora da doença, foi uma das motivações da pesquisa. Outra situação que impulsionou o trabalho foi a relação com uma amiga celíaca. Essa colega teve um problema de saúde em decorrência da doença, que, inclusive, dificultou que ela praticasse o balé.

Essas passagens foram o grande combustível, para que Maria Clara Merigue continuasse realizando os testes. Com muita resiliência, a estudante do Universitário seguiu em frente, atingiu os excelentes resultados e conquistou a aprovação para expor na Mostratec.

A caminhada continua e, ainda neste final de 2018, a aluna inscreverá o seu projeto na FEBRACE, outra das maiores feiras de ciência e tecnologia do país.

O Colégio Universitário incentiva e apoia a iniciativa científica da estudante da 2ª série do Ensino Médio e deseja mais sucesso nos próximos passos.

Fonte: Divulgação