Menu LondrinaTur, portal de Londrina e norte do Paraná
Guias
Trio Mambembe apresenta Samb’Ópera no Zaqueu de Melo Trio Mambembe apresenta Samb’Ópera no Zaqueu de Melo

Trio Mambembe apresenta Samb’Ópera no Zaqueu de Melo

Saturday, 11 de August de 2012
Categoria: agenda
Data Início: Saturday, 11 de August de 2012 às 00:00
Data Término: Sunday, 12 de August de 2012 às 23:59
Trio Mambembe retorna neste final de semana com o espetáculo cênico-musical “Cara Malandragem – A Samb’Ópera do Malandro”. Desta vez, as apresentações  serão no Teatro Zaqueu de Melo: no sábado (11) e no domingo (12), às 20 horas.
Veja também a matéria
A montagem fala do amor, do glamour e da decadência que desfilam pelas canções que compõe o musical “Ópera do Malandro”, de Chico Buarque, que ganhou uma versão do grupo londrinense Trio Mambembe.  O espetáculo  “Cara Malandragem – A Samb’Ópera do Malandro”, que estreou dentro da programação do 32º Festival de Música de Londrina (FML), retorna com em uma temporada durante o mês de agosto.
O espetáculo 
No palco, os três cantores/atores, Guilherme Kirchheim, Natália Lepri e Paulo Vitor Poloni, apresentam releituras das canções da peça e do filme “Ópera do Malandro”. O trabalho, que tem patrocínio do Promic (Programa Municipal de Incentivo à Cultura), é resultado de estudos feitos pelo próprio grupo, que desconstruiu a narrativa do texto original por meio da linguagem dos cabarés e do teatro de revista.  “A escolha das músicas foi feita pelo grupo mesmo, de acordo com a ‘história’ que estávamos interessados em contar, sobre o amor e a decadência”, comenta Natália.
A história, contada através das canções da peça e do filme, fica por conta do trabalho cênico desenvolvido pelo grupo, sob direção de Sandra Parra. “A convite do trio, a diretora orientou a pesquisa do espetáculo, utilizando-se de um refinamento da perspectiva cênica de Bertolt Brecht”, assinala Kirchheim. Dentro desta perspectiva, o espetáculo cênico-musical foi formatado sem texto algum, mas o subtexto da peça foi sendo construído durante o processo de criação da montagem.
Segundo Poloni, os arranjos vocais criados pelo grupo tiveram como referência a sonoridade dos principais grupos vocais brasileiros, desde a década de 1940, como o Bando da Lua, passando por grupos como MPB4, Garganta Profunda, entre outros. A coordenação dos arranjos instrumentais foi de Diogo Arrebola, que também está no baixo, acompanhado por Rafael Palma, no violão; Mateus Gonsales, no Piano; André Mattos, nos instrumentos de sopro, e Bruno Cotrin, na bateria.
Trio Mambembe: Guilherme Kirchheim, Natália Lepri e Paulo Vitor Poloni
Direção Cênica: Sandra Parra
Direção Musical e Arranjos Vocais: Trio Mambembe
Coordenação de Produção: Paulo Vitor Poloni
Coordenação de arranjos instrumentais: Diogo Arrebola
Bateria: Bruno Cotrim Carvalho
Sopros: André Mattos
Baixo: Diogo Arrebola
Piano: Mateus Gonsales

Violão: Rafael Palma
Figurino: Ana Carolina Ribeiro
Iluminação: Luiz Eduardo Pires
Design gráfico: Maíra Bette Motta

Fonte: Guto Rocha